Árvore principal



Árvore Principal contém os resultados de minhas pesquisas, iniciadas nos anos 1990. No banco de dados, as páginas desta árvore aparecem em tons azuis, como visto na imagem.

Quando comecei minhas pesquisas, meu foco eram os imigrantes alemães dos quais minha esposa e eu descendemos.

De meu lado, os ancestrais imigrantes têm os seguintes sobrenomes: Heuser, Bartz, von Schwerin, Textor, Barth, Bender, Iserhard, Dinger, Bencke (Behncke), Augustin, Ruppenthal, Hannauer, Klamt, Heidrich, Engel e Sanktjohanser. A maioria destes imigrantes veio da região do Reno (Mosel e Hunsrück). Em número menor, alguns vieram da Pomerânia, de Mecklenburgo, da Boêmia e da Baviera.

Meus ancestrais até os trisavós (clique na imagem para navegar na árvore)

Já do lado de minha esposa, os sobrenomes dos ancestrais imigrantes são Diefenthaeler, Schmitt, Müller, Heller, Rübenich, Volkmann, Witt e Wendisch. Além dos Renanos, há aqui também Pomeranos e até uma família de Saxões.

Ancestrais de minha esposa até os trisavós (clique na imagem para navegar na árvore)

Com o crescer da família e com o interesse em pesquisar a ancestralidade de meus netos, foram incorporadas famílias de outras nações.

A árvore agora contém também dois extensos ramos de suecos, ancestrais das famílias Kreuger e Tysklind. Como entre eles há alguns membros da nobreza sueca e como esta encontra-se muito bem documentada, foi possível recuar em alguns casos até o Século XV.

Além disso, a árvore contém várias famílias de origem portuguesa, entre elas muitas vindas dos Açores, inclusive alguns descendentes de Willem Kersemakere (Guilherme Silveira), nascido em 1430 em Bruges, falecido em 1510 na Ilha de São Jorge, um flamengo que teria sido um dos primeiros povoadores destas ilhas.

Para completar, há famílias de italianos e uma família de romenos alemães da região de Siebenbürgen.

Em Dezembro de 2020, esta árvore incluía 8.274 pessoas, pertencentes a 2.841 famílias. Números atualizados sobre a árvore podem ser vistas na página de estatísticas.